“Contenham esse avanço... Façam qualquer coisa, por menor que seja... Mantenham aberta ainda que seja uma só porta dentre cem, pois conquanto que tenhamos pelo menos uma porta aberta, não estaremos numa prisão.”
(G.K.C)

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Ai se sêsse

O poeta Zé da Luz, do início do século, escreveu uma poesia porque disseram pra ele que pra falar de amor é necessário um português correto e tal... Aí Zé da Luz escreveu uma poesia chamada "Ai se sêsse" que diz assim...

Se um dia nóis se gostasse;
Se um dia nóis se queresse;
Se nóis dois se impariásse,
Se juntin nóis dois vivesse!
Se juntin nós dois morasse
Se juntin nóis dois drumisse;
Se juntin nóis dois morresse!
Se pro céu nós assubisse,
Mas porém, se acontecesse
qui São Pêdo não abrisse
as portas do céu e fosse,
te dizê quarqué tolíce?
E se eu me arriminasse
e tu cum eu insistisse,
prá qui eu me arrezorvesse
e a minha faca eu puxasse,
e o buxo do céu furasse?...
Tarvez qui nóis dois ficasse
tarvez qui nóis dois caísse
e o céu furado arriasse
e as virge tôdas fugisse!!!

Zé da Luz - Severino de Andrade Silva, nasceu em Itabaiana, PB, em 29/03/1904 e faleceu no Rio de Janeiro-RJ, em 12/02/1965)

3 comentários:

Anônimo disse...

Legal, Fabiano!!!
Sou do nordeste e estava com saudade da minha terrinha abençoada.

Anônimo disse...

MEU NOME É HUMBERTO,SOU SOBRINHO DO POETA LUCIANO CARNEIRO DE CRATO - CEARÁ E MINHA FAMILIA É TODA DE REPENTISTA.ADORO CORDÉL .MAS ESSA É DEMAIS.PODERÍAMOS CHAMAR DE UM CLASSICO.OBG

Cap. Pedro Costa disse...

Comovente simplicidade... só mesmo o sertão nordestino nos poderia brindar com uma obra prima destas.